Dra. Marcieli Martins - Fisioterapia Dermatofuncional Curitiba

  • Home
  • >
  • Blog
  • >
  • Fibroses e Tecidos Cicatriciais: é tudo a mesma coisa?

Fibroses e Tecidos Cicatriciais: é tudo a mesma coisa?

Definir e diferenciar fibroses de tecidos cicatriciais é essencial para realização da intervenção fisioterapêutica.

Não…

Segundo a literatura atualizada, fibroses são tecidos cicatriciais excessivos, formados por uma quantidade exacerbada de proteínas da matriz extracelular*, principalmente colágeno”.

Fibroses e aderências são características frequentemente presentes em pós-operatórios de diversas cirurgias. Elas são “normais” durante o período de reparo, fazem parte da cicatrização, porém, não devem ser consideradas parte do resultado da final da cirurgia. Podem gerar alterações funcionais, sendo portanto, cabíveis de tratamento fisioterápico.

O que é fibrose?

As fibroses caracterizam-se pela presença de tecido cicatricial excessivo, com conteúdo rico em colágeno (por isso são tão resistentes). Aparecem devido ao processo de cicatrização, levam frequentemente à formação de retrações nos tecidos conjuntivos que poderão limitar a função do indivíduo, pois podem afetar nervos, músculos e até articulações. Por isso é tão importante o tratamento fisioterapêutico preventivo.

Quanto mais longa a presença de fibrose, maior as chances de disfunções neuromioarticulares. A prevenção deve ser o objetivo primário da fisioterapia. A aplicação da Liberação Tecidual Funcional® nos tecidos em cicatrização é utilizada como forma de prevenção, controle da formação de fibroses e também para o tratamento específico. Independente do tempo de instalação do quadro.

No caso específico das cirurgias estéticas, podem impedir os resultados esperados da cirurgia e frustrar tanto o cirurgião como o paciente, principalmente quando o tratamento proposto é baseado em protocolos de uso de equipamentos de estética, onde a síntese de colágeno é provocada pelo estímulo produzido pelos aparelhos. É preciso ter em mente que fibrose é excesso de colágeno, e nenhum tratamento que estimule colágeno é o mais indicado, pois pode retardar e até dificultar sua resolução.

Para o tratamento efetivo, é preciso respeitar as características do tecido cicatricial. A terapia manual atuará modificando a estrutura do colágeno cicatricial, afetando diretamente a orientação e o metabolismo da matriz extracelular. É preciso controlar o ambiente mecanobiológico do tecido para evitar excesso cargas mecânicas intrínsecas* – que ativam um processo chamado de fibrinogênese*, onde o quadro se retroalimenta. Com o tratamento específico, é possível normalizar as cargas mecânicas intrínsecas dos tecidos e com isso, retomar o metabolismo normal e eliminar os excessos – as fibroses.

O que é tecido cicatricial?

Já o tecido cicatricial é um tipo de tecido alterado estruturalmente, que não tem as mesmas características do tecido normal: elasticidade por exemplo…

Diferente da fibrose, ele não é excessivo. É simplesmente um tecido alterado. Este, será sempre diferente, por isso se recomenda evitar cirurgias estéticas diversas, pois por mais que se trate a fibrose, o tecido cicatricial permanecerá. Podemos usar como exemplo, as cicatrizes da pele, que estão perceptíveis aos nossos olhos…Elas podem ser fininhas ou volumosas…Assim é a diferença que ocorre por baixo da pele.

Fibroses – como as cicatrizes volumosas e tecidos cicatriciais – como as cicatrizes fininhas. Estão ali, mas não são excessivos, mas também não são como os tecidos normais.

No dia a dia, a denominação se confunde, muita gente chama o tecido cicatricial de fibrose…

Mas fibrose tem tratamento, podemos tanto prevenir como tratar com manobras manuais específicas, como a LTF® – Liberação Tecidual Funcional.

Já os tecidos cicatriciais…serão para sempre tecidos cicatriciais.

Sempre alterados em sua estrutura.

Por isso não é recomendado que um paciente se submeta a diversas ciurgias plásticas estéticas.

Em cada cirurgia, haverá formação de tecidos cicatriciais…

Portanto: Fibrose tem tratamento!

Com abordagem adequada a fibrose é facilmente reduzida ao tecido cicatricial “normal”.

Você paciente, não arrisque seus resultados com tratamentos inadequados, cuide-se!

Você fisioterapeuta, estude profundamente o processo de reparo tecidual para entender o que são as fibroses e assim poder ofertar aos seus pacientes tratamentos realmente efetivos.

Não é preciso ficar meses tratando pós-operatório. Procure saber! 😉

Um abraço.

Dra Mariane Altomare

Fisioterapeuta


Legenda:

  • Matriz extracelular: Parte dos nossos tecidos, que são compostos por células e uma diversidade de estruturas (entre elas colágeno) denominada matriz extracelular;
  • Forças instrínsecas: São forças mecânicas dos tecidos que participam ativamente nos processos metabólicos por provocarem estímulos nas células;
  • Ambiente mecanobiológico tecidual: é o somatório de forças físicas que estão presentes nos tecidos controlando processos metabólicos;
  • Fibrinogênese: processo de formação de novas fibras, incluindo colágeno.

Comentários

4 respostas para “Fibroses e Tecidos Cicatriciais: é tudo a mesma coisa?”

  1. Rosana de Andrade disse:

    Nossa, estou a bastante tempo com muitas dores nas pernas e uma difículdade enorme para abaixar e até pra andar. Os médicos dizem logo que são Inflamação do nervo Ciático, porém, agora assistindo ao vídeo…né parecem os mesmos sintomas da fibrose. Apesar que is exames mostraram hérnias de disco em L4L5S1…

    • marci martins disse:

      Olá Rasana.
      Obrigada pelo seu contato.
      Você já realizou algum procedimento cirúrgico na região operada ou próxima?
      É importante que vc busque um profissional fisioterapeuta para que ele lhe avalie e possa avaliar se você tem ou não um fibrose que possa estar resultando nessas dores.

      Qualquer duvida estou à disposição.

  2. Marlene disse:

    Fiz um procedimento estético criolipolise no abdômen e flancos. Quase morri. Chegou a infeccionar saindo secreção no carboxterapia. Ressonância magnética acusou até necrose. A gordura congelada encapsulou. Não sendo eliminada pelo organismo atravéz do processo. Estou muito chateada pq ao invés de reduzir as medidas elas aumentaram. Os nódulos continuam Aki. Não diminuíram isso desde setembro de 2020. Hj já é abril de 2021. E ninguém responsável pelo procedimento não sabem dizer o que houve. Decepcionada ao extremo. Depressiva…magoada… é assim que me sinto.

    • marci martins disse:

      Eu super te entendo Marlena.
      Realizar um procedimento e acontecer algo assim é extremamente frustrante.
      Procure ajuda de um fisioterapeuta especializado.
      Tenho certeza que ele poderá te auxiliar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *